FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Delegação visita Nova Friburgo e ouve relatos da tragédia ocorrida em 2011

Uma ida à Nova Friburgo (RJ), no dia 16 de junho, fez parte do roteiro de visitas organizadas pela FLD para a delegação alemã que participou da Cúpula dos Povos, trazida pelo parceiro institucional Serviço de Desenvolvimento das Igrejas Evangélicas na Alemanha (sigla em alemão EED). O objetivo da visita foi conversar com lideranças da comunidade luterana local, que atuou durante a inundação ocorrida em janeiro de 2011.

Recepcionados com um café da manhã, os visitantes passaram a ouvir relatos e lembranças do que aconteceu na madrugada do dia 11 de janeiro de 2011 e nos dias seguintes. “Uma história pode resumir o que as pessoas viveram”, disse o pastor Adélcio Kronbauer. “Este jovem perdeu tudo. Perdeu a casa, a filha, a mulher, a família. Do que ele tinha, só restou a foto que ele segura na mão.”

A Comunidade Evangélica Luterana de Nova Friburgo também sofreu com a inundação. Mesmo assim, os membros se organizaram para atender a população mais pobre e mais atingida. Com o auxílio do Sínodo Sudeste, através do pastor sinodal Guilherme Lieven, receberam alimentos, água, roupas e materiais de limpeza. Também ajudaram na organização das doações vindas por meio da Defesa Civil.

A Aliança ACT, organização internacional que atua na área de emergências e desenvolvimento, também prestou ajuda, por meio de um apelo internacional por recursos financeiros. Os membros nacionais de ACT, Koinonia, do Rio de Janeiro, e a FLD, apoiaram a realização do apelo e também contribuíram com apoio no local.

Um ano e meio depois, a situação não mudou muito. O centro da cidade foi recuperado e os morros estão recebendo obras de contenção. “Mas a periferia da cidade está em estado lastimável, por falta de vontade política e pela corrupção”, conta o coordenador do crematório do Cemitério Luterano Jardim da Paz, Márcio Rebouças. Ele integra o grupo de Diaconia da comunidade. 

Os visitantes caminharam pela cidade, onde puderam ver prédios destruídos. Histórias comoventes foram relatadas, como a dos dois bombeiros, que foram atingidos por um desabamento quando tentavam salvar algumas famílias.

Também a de um bebê, de seis meses, e de seu pai, ambos resgatados com vida. Nicolas ficou mais de 12 horas soterrado. Ele estava protegido pelo pai, Wellington da Silva Guimarães, 25, que permaneceu todo o tempo abraçado ao filho. Guimarães também foi resgatado com vida pelos bombeiros.

No final da visita, Johanna Laible, do EED, entregou um presente em nome da delegação, demonstrando apreço e respeito pelo trabalho realizado em favor das pessoas atingidas pela tragédia.