FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Dia Mundial de Luta contra a Aids: epidemia cresce entre mulheres e entre jovens

A Assembleia Mundial de Saúde, com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), instituiu, em 1987, o dia 1°  de dezembro como Dia Mundial de Luta contra a Aids. No ano seguinte, 1988, o Brasil aderiu a essa determinação através de uma portaria assinada pelo Ministério da Saúde.

No ano de 1991 foi adotado o laço vermelho como identificação visual alusiva a essa data. O laço representa a solidariedade, compromisso e luta pelos direitos das pessoas vivendo com HIV e Aids.

O dia integra a Campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência contra a Mulher - realizada no Brasil de 20 de novembro - Dia da Consciência Negra - até o dia 10 de dezembro - Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Aids e as mulheres

Algumas informações que fazem parte da exposição Nem tão Doce Lar, da FLD, mostram a relação da violência contra as mulheres e a pandemia:

"Mulheres que são vítimas de violência doméstica por parte do parceiro normalmente têm dificuldades em negociar métodos preventivos, como o uso de preservativos. Quando realizam o exame e se descobrem HIV positivas, começam a questionar seu papel como mulher, esposa, mãe e cidadã." (fonte http://periodicos.est.edu.br)  

"Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sexo forçado expõe as mulheres ao HIV; a violência e sua ameaça limitam a capacidade de negociar o sexo seguro; a revelação da condição de soropositiva ao companheiro ou a terceiros pode aumentar o risco da violência." (fonte: http://www.redesaude.org.br)

"O rosto da Aids hoje, no mundo, é pobre, negro e está se tornando cada vez mais feminino. O crescimento da Aids entre as mulheres é uma das características da pandemia na atualidade.(...) Pela primeira vez na história da Aids as mulheres somam 50% dos casos de infecção." (fonte: Professora Dra. Wanda Deifelt, Igreja e Aids: Presença e Resposta, editado pela Pastoral da Aids/CNBB)

Também entre as jovens e os jovens, principalmente de 15 a 25 anos, o crescente número de casos é preocupante: no Brasil, as infecções aumentaram 50% nesta faixa etária. 

A Aids hoje permanece sendo uma doença que não tem cura. Mas as pessoas possuem uma melhor qualidade de vida, graças ao uso de medicamentos antirretrovirais que inibem a multiplicação do vírus no organismo humano. É importante lembrar, no entanto, que os medicamentos não são sinônimo de cura definitiva.

O Ministério da Saúde e a Pastoral da Aids/CNBB realizam campanhas de incentivo ao diagnóstico precoce. O teste, que é feito na rede pública de saúde, fornece o resultado em apenas alguns minutos.

Mais:

Reportagem sobre juvenilização da epidemia de HIV/Aids com Drauzio Varella:

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/11/casos-de-hiv-entre-jovens-aumentam-mais-de-50-em-6-anos-no-brasil.html

Artigo sobre a origem do dia 1° de dezembro como Dia de Luta contra a Aids: 

http://www.redescola.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=190%3Adia-mundial-da-luta-contra-a-aids-01-de-dezembro&catid=74%3Adezembro&Itemid=53