FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Encontro reúne dezenas de organizações sociais para troca de experiências

Cerca de 90 pessoas integrantes de mais de 20 organizações sociais de diversos municípios, especialmente da fronteira oeste do Rio Grande do Sul, participaram do encontro Reconhecendo memórias e saberes para o fortalecimento de identidades, promovido pela FLD em Rosário do Sul (RS), no dia 11 de junho. 

O encontro, uma das ações do Projeto Pampa da FLD, reuniu representações da agricultura e pecuária familiar, da pesca, do artesanato típico, de assentamentos e de comunidades quilombolas, garantindo grande diversidade de público, realidades e experiências. O objetivo foi  aproximar organizações sociais que atuam com base na solidariedade e no uso sustentável dos recursos locais, para que estabeleçam e fortaleçam relações. Ainda, promoveu a reflexão sobre a relação entre identidade e território e sua importância para um desenvolvimento com justiça social e ambiental no bioma Pampa.

Patrimônio cultural imaterial

Foram apresentadas realidades e iniciativas existentes em outros biomas brasileiros, abordando conceitos e legislações pertinentes. O patrimônio cultural imaterial, que diz respeito às práticas e domínios da vida social, que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer, celebrações, formas de expressão e nos lugares, mereceu destaque por ter relação direta com identidade, memória e territorialidade.

Assessoraram as atividades Lourdes Cardozo Laureano, da Articulação Pacari, uma rede socioambiental presente em quatro estados: Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Maranhão, formada por organizações comunitárias que praticam medicina tradicional através do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado; Francesa Rodrigues Silva, do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, com atuação nos estados do Tocantins, Maranhão, Piauí e Pará, que trabalha na defesa dos direitos das quebradeiras de coco, na conservação das florestas de babaçu e livre acesso ao babaçual, na região de transição entre Cerrado, Caatinga e Amazônia; e Alexandre Krob, do Instituto Curicaca, organização que promove a conservação da biodiversidade, o desenvolvimento sustentável, a diversidade cultural e a valorização dos bens, expressões, práticas e saberes nos biomas Mata Atlântica, Pampa e na Zona Costeira.

As questões levantadas pelas/os participantes nos trabalhos à tarde serão encaminhadas ao grupo consultivo do Projeto Pampa, composto por representações de diversos segmentos e municípios da fronteira oeste do estado. A partir das demandas e propostas identificadas, serão planejadas as próximas ações a serem realizadas na região.

No encerramento, foi servido um coquetel com dezenas de pratos doces e salgados, a base de mandioca, preparados pelas comunidades Rincão dos Menezes e Rincão dos Machados, de Rosário do Sul.