FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Componentes Estratégicos

Os eixos estratégicos organizam o trabalho e as prioridades da FLD, através de um conjunto de ações articuladas. No centro está a Sustentabilidade Institucional, sendo que em cada lado estende-se um braço – um para a Promoção da Diaconia e outro para os Direitos Humanos e o Desenvolvimento Sustentável.

Promoção da Diaconia

A FLD carrega no seu nome e no seu mandato a vocação diaconal. Também no seu caso se aplica a compreensão acima expressa de que sua existência e atuação se dão em resposta ao incondicional amor de Deus. Por isso, recebe o mandato de atuar na sociedade brasileira, servindo para mudar a vida das pessoas, no sentido de contribuir para a construção de cidadania dos menos favorecidos. A FLD atua de forma ecumênica no apoio a estes grupos organizados da sociedade civil, tenham eles algum pertencimento religioso ou não.

A ação diaconal pode ser individual, institucional ou comunitária. Ela pode ser curadora, de consolação ou transformadora. Ela pode ser assistencial, de solidariedade ou política. Ela pode ser local, nacional ou internacional. Não obstante os distintos níveis e formas da prática diaconal, ela é intrínseca à fé cristã e é uma dimensão fundamental da vida da igreja. Nesta perspectiva, por exemplo, a IECLB, através do Plano de Ação Missionária (PAMI), afirma que a diaconia é uma dimensão fundamental da missão de toda comunidade cristã.

Atuação Diaconal

A FLD, enquanto instituição diaconal com vínculo confessional com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), desenvolve sua missão tanto na perspectiva do fortalecimento da sociedade civil como também em relação a instituições diaconais.

No âmbito comunitário da IECLB existem inúmeras instituições diaconais espalhadas pelos 18 sínodos. Grande parte delas possui vínculo apenas com esferas locais, ou seja, com comunidades luteranas. São organizações que estão em grande medida desarticuladas e que vêm apontando sérias dificuldades para lidar com questões de sustentabilidade, apesar de desenvolverem serviços sociais que respondem de forma qualificada aos desafios colocados pela nossa sociedade.

O trabalho da FLD nesta área tem interface com as atividades da Secretaria de Ação Comunitária (SAC), ligada à Secretaria Geral da IECLB. A SAC é formada pelas Coordenações de Diaconia, Diaconia Inclusão, Gênero, Geração e Etnias, Missão e Voluntariado.

Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável

Pretende-se, neste Trienal, dar maior ênfase aos resultados e impactos alcançados com as ações estratégicas deste Eixo, bem como assumir e defender posicionamentos institucionais de forma a contribuir mais efetivamente na defesa dos direitos humanos e do desenvolvimento sustentável. Serão desenvolvidas três ações estratégicas: o Fundo de Projetos, o Acompanhamento a Parceiros Estratégicos e o Desenvolvimento de Iniciativas Inovadoras.

A FLD baseia sua compreensão de direitos humanos e desenvolvimento sustentável na afirmação teológica de que todas as pessoas são criadas à imagem de Deus, com o direito e a capacidade de viver de forma justa, humana e digna em comunidades sustentáveis. A visão e a missão da FLD afirmam o apoio às pessoas e grupos organizados da sociedade civil na defesa dos seus direitos, na construção de comunidades inclusivas e sustentáveis, que promovam, através do protagonismo destes atores, a qualidade de vida, cidadania e a justiça social.

Sustentabilidade Institucional

O eixo Sustentabilidade Institucional do Plano Trienal 2011-2013 é estratégico na relação que estabelece com o eixo da Diaconia e de Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, com as esferas de governança, com o Estado e com o setor privado.

Quando se fala em Sustentabilidade Institucional estamos falando de cooperação ecumênica, de fortalecimento de espaços de diálogo, de articulação, de parcerias e do desenvolvimento e qualificação de atividades-meios, consideradas suporte para a realização da missão, com destaque para a comunicação, gestão administrativo-financeira, gestão de pessoas e dos processos de trabalho.

O que se quer é aliar o cumprimento da missão institucional a regras da administração moderna. Nesta perspectiva, uma das primeiras exigências consiste em conciliar ativismo e profissionalização, entendendo-os não como instâncias antagônicas, mas como etapas de um mesmo processo de interação recíproca, onde a última qualifica a eficácia da primeira.