FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Mulher catadora é mulher que luta

O trabalho desenvolvido pela FLD e o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) junto a organizações de catadoras e catadores no Rio Grande do Sul permitiram reconhecer lacunas importantes, entre as quais a desigualdade de gênero. Se por um lado verificou-se que a maioria dos membros das associações e das cooperativas são mulheres, por outro lado, esta participação na produção não se reflete na ocupação de espaços de decisão e representação. 

Assim, pensou-se enfrentar este problema a partir de uma intervenção que empoderasse as mulheres catadoras. 

O reconhecimento desta realidade resultou no projeto Mulher catadora é mulher que luta, que recebe financiamento da União Europeia. Vinte e quatro associações de catadoras e catadores serão atendidas de forma mais ampla e 31, com ações pontuais, no estado do Rio Grande do Sul.  

As 24 associações e cooperativas se encontram organizadas em três redes: a Rede Catapoa (região metropolitana de Porto Alegre e Vale do Rio dos Sinos) a Rede Coleta Solidária (Vale do Gravataí e Vale do Rio dos Sinos) e a Rede Catapampa (Vales do Rio Pardo e Taquari estendendo-se até a fronteira oeste do estado).

O projeto busca responder ao desafio de combinar a qualificação de prestação de serviços na área da reciclagem, com gestão democrática e relações de cooperação e solidariedade sustentadas na justiça de gênero.  

Desta maneira, apresenta ações voltadas ao fortalecimento das organizações, como a elaboração de planejamento estratégico e a aquisição de equipamentos, e ações de promoção de direitos sociais focados no atendimento às mulheres e crianças.