FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Nem Tão Doce Lar forma multiplicadoras e multiplicadores em Espírito Santo

4-11-2015

A Fundação Luterana de Diaconia realizou, no dia 27 outubro, na Comunidade Luterana de Vitória (ES), o curso de multiplicadoras e multiplicadores da metodologia Nem Tão Doce Lar, que contou com a participação de pastoras e pastores da IECLB além de estudantes de Teologia. 

A oficina, ministrada pelo assessor técnico da FLD, Rogério Oliveira de Aguiar, teve como objetivo mobilizar, sensibilizar e formar diferentes sujeitos sociais para trabalhar questões relativas à violência de gênero, abuso e exploração sexual, a partir da replicação da exposição Nem Tão Doce Lar. 

A Exposição busca conscientizar e alertar a população para as diversas formas de violação de direitos humanos que ocorrem no âmbito doméstico e familiar e que, na maioria dos casos, não são denunciadas pelas vítimas ou mesmo visíveis às autoridades.

Por seu caráter itinerante e interativo, ela pode ser montada em diversos espaços, com elementos peculiares referentes ao contexto local. Por esse motivo, as organizações proponentes recebem um manual de montagem com a lista dos itens básicos, podendo acrescentar elementos locais à montagem da exposição. 

Além da oficina, cerca de 110 pessoas, entre membros da comunidade, estudantes de teologia e convidadas/os, participaram da palestra sobre superação da violência doméstica e familiar no inicio da noite do dia 27. Logo após, todas e todos foram convidas e convidados a visitarem a exposição NTDL. O evento é uma idealização da União Paroquial de Vitória em parceria com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) por meio da campanha Orgulho de ser Luterano - Luteranos unidos pelo fim da violência contra as mulheres.

A ação é voltada para os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres. Na região de Grande Vitória, o número de casos de mulheres mortas por crime passional ultrapassou o número de crimes envolvendo tráfico de drogas, chegando a liderar em casos de feminicídio no Brasil. (Dados: Policia Federal/2015)