FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Projeto Saberes Especiais resgata cultura tradicional dos Kaingang

O projeto Saberes Especiais foi apresentado em uma das oficinas do Seminário Justiça Socioambiental e Mudanças Climáticas: Desafios e Compromissos, promovido pela FLD, CAPA e outros parceiros, em São Leopoldo (RS), de 20 a 22 de novembro. Quem apresentou o projeto foram integrantes do grupo de revitalização entre mulheres, que trabalha os saberes tradicionais de manejo e uso de espécies medicinais e nutricionais do povo indígena kaingang, da Terra Indígena Guarita (RS). “Queremos despertar o interesse e estimular os processos educativos no conhecimento sobre o passado e o presente da comunidade”, disseram as mulheres. O livro traz experiências das parteiras e idosas da terra indígena,  com o objetivo de resgatar e valorizar o uso das ervas medicinais e nutricionais de domínio tradicional.

Para entender melhor a iniciativa, conversamos com  Noeli Terezinha Falcade, 47 anos, do Conselho de Missão entre Indígenas (COMIN), e as Kaingang Carlinda Sales, 77 anos, e Liria Sales Ribeiro, 52 anos.

Qual trabalho que vocês realizam?

Realizamos um trabalho com as ervas medicinais para essa cultura não se perder em nosso povo, como indígenas não podemos deixar essa cultura morrer.

Como é a participação da juventude neste trabalho?

A juventude não está participando deste processo de resgate. Mas a partir desta experiência que estamos vivendo no seminário, vamos levar de volta e vamos mobilizar os jovens para participar efetivamente de todo o processo. Eles precisam entender a importância da participação. Acredito que os adultos têm que se esforçar mais para conseguir a mobilização dos jovens.

Qual a importância de divulgar o trabalho de vocês em um seminário como este?

Para nós significa que não estamos esquecendo nossas origens, ficamos muito felizes com o convite da FLD e agradecemos, temos a oportunidade de divulgar nosso trabalho com as ervas medicinais e a cultura indígena que a cada dia está sendo mais esquecida e desrespeitada.

Douglas Moreira e Joaquim Oliveira Moura (RS), Danuse Queiroz (DF) e Reynaldo de Azevedo (MG), da RENAJOC e da Agência Jovem de Notícias, responsáveis pela cobertura do seminário.