FUNDAÇÃO LUTERANA DE DIACONIA

Notícias

Representantes dos povos Arara e Kaingang participam do Congrenaje da IECLB

Com muita alegria representantes dos povos Arara, de Rondônia, e Kaingang, do Rio Grande do Sul, participaram do Congresso Nacional da Juventude (Congrenaje), vinculado à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), ocorrido entre os dias 20 a 25 de julho, em Espigão do Oeste, Rondônia. A interação com os/as jovens luteranos/as foi uma surpresa agradável para esses povos.

Com a coordenação de assessora e assessores do Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), Sandro Luckmann, Walter Sass e Jandira Keppi, e a estudante de teologia Sabrina Senger, os representantes dos povos Arara e Kaingang ministraram as oficinas sobre povos indígenas, nos dias 21 e 22 de julho, reunindo um total aproximado de 100 jovens. Também houve a participação de jovens da Bolívia e da Alemanha, que estavam no Congrenaje e Fest’art. Essa diversidade e intercâmbio deve ser vista como nossa riqueza e valorizada pela Igreja e por toda a sociedade.

As conversas entre os indígenas e os/as jovens oportunizaram ao povo Arara e ao povo Kaingang a exposição de suas realidades socioculturais, linguísticas, territoriais e sobre a política indigenista. Os/As jovens luteranos/as também fizeram perguntas e colocações das mais variadas, mostrando um profundo respeito por esses povos. No final, um ritual Arara, dançado por todos e todas, coroou o encerramento de cada oficina.

Os indígenas destacaram a importância desse tipo de evento para uma maior interação com os não-indígenas. Para eles é importante o contato pessoal. Isso favorece uma relação mais próxima, quebra preconceitos e estimula o conhecimento e o diálogo sobre a diversidade cultural e linguística do nosso país, tanto em relação aos povos indígenas como em relação a outros grupos étnicos, existentes também no âmbito da IECLB.

Além das oficinas, os/as jovens puderam conhecer o artesanato produzido pelas mulheres Arara. A venda desses produtos foi surpreendente. Trata-se, na verdade, de um público diferenciado, que valoriza produtos artesanais, que quer ter um contato pessoal com os/as expositores/as e que pergunta pela história do povo, que aparece em cada peça artesanal. Além disso, muitos/as jovens luteranos/as puderam ser “tatuados” com tintura de jenipapo, feito por jovens Arara, além de outras tinturas feitas pelo jovem Kaingang.

Uma tenda foi montada pelo Projeto de Agroecologia do Sínodo da Amazônia (Proasa) e Comin, com exposição de banners, fotos e materiais didáticos, que possibilitaram aos/às jovens conhecer melhor os povos indígenas e a agroecologia.

Paralelo ao Congrenaje, também se oportunizou um momento de intercâmbio entre o jovem Kaingang e Arara, que assessoraram as oficinas, através da visita do jovem Kaingang à comunidade Arara do Pajgap, na Terra Indígena Igarapé Lourdes, município de Ji-Paraná/RO. Apesar de breve, houve intercâmbio de saberes e realidades entre a comunidade indígena do norte e do sul do Brasil. A visita entre Kaingang e os Arara despertou interesse em dar continuidade ao intercâmbio, de acordo com possibilidades futuras.

O sentimento que ficou para os Arara, para o jovem Kaingang e para nós do Comin é de alegria e satisfação por termos participado desse evento e do diálogo intercultural entre Kaingang, Arara e jovens luteranos e luteranas.

Texto e fotos: Jandira Keppi - Comin/Projeto de Assessoria a Povos Indígenas de Rondônia; Sandro Luckmann - Comin/Askaguaru-ESOI