DOAR AGORA

Comitê Gestor que apoia Rede de Comércio Justo tem sua primeira reunião

Comitê Gestor que apoia Rede de Comércio Justo tem sua primeira reunião
29 de agosto de 2012 zweiarts

O Comitê Gestor que está contribuindo para o desenvolvimento da Rede de Comércio Justo e Solidário da FLD reuniu-se em Porto Alegre (RS), no dia 23, para discutir os próximos passos do projeto. O comitê é integrado por representantes das áreas de: Alimentação, Isabel Cunha (Cooperbom); Artesanato, Maria Luiza Furquin (Mãos do Sul) e Maria Rejane da Silva (Acorde Mulher); Confecção, Letícia Blaster (Justa Trama); e Reciclagem, Gilciane Neves (Ecopapel). Sua composição foi definida na primeira reunião sobre a rede, realizada no dia 2 de agosto, pelos 13 grupos de Economia Popular Solidária que estiveram presentes (veja fotos abaixo).

No dia 23, a discussão abordou temas como a comercialização e a divulgação dos produtos, identificados como grandes dificuldades para os grupos em geral. Os encaminhamentos da reunião incluem a elaboração de um questionário para mapear outros empreendimentos que queiram integrar a rede e a discussão sobre a ampliação dos segmentos já presentes, que incluem  atualmente as áreas de Alimentação, Artesanato, Confecção e Reciclagem.

A Rede de Comércio Justo e Solidário

Pelo seu apoio histórico a iniciativas de geração de trabalho e renda, a FLD elaborou o projeto, com o objetivo de incidir, junto com os grupos, nas maiores fragilidades. A ideia é aproximar iniciativas da Economia Popular Solidária e comunidades luteranas – que, através da compra de destes produtos, podem expressar solidariedade.

Além de valorizar uma produção diferenciada, a FLD quer promover uma outra forma de consumo, mais consciente e responsável. A proposta inclui empreendimentos de mulheres urbanas costureiras, de bordadeiras, de serigrafia, grupos de agricultores familiares e ecologistas – dentre eles alguns acompanhados pelo Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor (CAPA), grupos de catadores de materiais recicláveis, grupos de costureiras e artesãs quilombolas e povos indígenas de diversas etnias – Guarani, Kaingang, Xokleng, Arara –, acompanhados pelo Conselho de Missão entre Indígenas (COMIN).

Para a criação da rede, a FLD mapeou eventos realizados no âmbito da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), promovendo ali processos educativos e de sensibilização para o consumo e para a adoção de hábitos sustentáveis. Junto disso, serão organizadas atividades de formação com os diferentes grupos/projetos sociais, para a qualificação de processos, produtos e constituição da rede, criação de espaço virtual e elaboração de materiais referentes aos princípios de comércio justo e solidário e divulgação dos grupos e seus produtos. 

A Rede de Comércio Justo e Solidário tem apoio da Evangelical Lutheran Church in America (ELCA) e do Sínodo Nordeste Gaúcho, da IECLB.

Fotos: Eliege Fantin/Marluí Tellier

Cadastre-se para receber nossa newsletter

Personel Maaşları