DOAR AGORA

FLD apresenta trabalho de grupos apoiados com proposta de criação de redes

FLD apresenta trabalho de grupos apoiados com proposta de criação de redes
18 de junho de 2012 zweiarts

A FLD promoveu no dia 15, durante a Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro (RJ), uma mesa redonda com representantes de alguns dos seus projetos apoiados no Rio de Janeiro e de projetos estratégicos: Rede Ecumênica da Juventude (Reju), Criatitude, Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), Articulação Pacari e Faces do Brasil. A FLD também falou rapidamente sobre a Rede de Comércio Justo e Solidário, que está organizando.

O evento foi organizado para a delegação alemã trazida pelo parceiro institucional da FLD, o Serviço das Igrejas Evangélicas na Alemanha para o Desenvolvimento (EED, sigla em alemão).

O facilitador nacional da Reju, Daniel Souza, relatou que a rede é um espaço que busca promover a construção de redes regionais ecumênicas das juventudes, para a promoção dos direitos juvenis e o diálogo contra a intolerância. “Somos jovens de diferentes localidades, movimentos, religiões e entidades, e buscamos o fortalecimento político das ações para a juventude e a garantia de direitos, além de capacitar e articular os jovens para que ocupem espaços de protagonismo na sociedade.”

A Reju trouxe para a Cúpula dos Povos cerca de 200 jovens, brasileiros e de países da América Latina, por meio da Caravana da Juventude. Além disso, estará lançando o livro Juventude e Justiça Socioambiental, Perspectivas Ecumênicas, no espaço Religiões por Direitos, no dia 19 de junho.

Raquel Kleber, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), descreveu o projeto Criatitude – Rumo à Rio+20, organizado pela Secretaria Geral da igreja e pela FLD, com apoio da Federação Luterana Mundial. O projeto teve início em 2011, com a elaboração da Cartilha Criatitude, uma parceria do Conselho Sinodal da Juventude Evangélica do Sínodo Rio dos Sinos (Cosije), da Secretaria Geral da IECLB através da Secretaria de Educação e da FLD. “Trouxemos 28 jovens luteranos para participar da Cúpula dos Povos, que integram a Caravana Ecumênica da Reju”, relatou Raquel. “Além de participar das atividades, vamos realizar uma oficina do Criatitude, no dia 19, na Cúpula dos Povos.”

Quem falou sobre o MNCR foi o assessor Cristiano Benitez e o catador Fagner Jandrei, uma das lideranças do movimento. O MNCR nasceu por volta de 2001 com o objetivo de organizar catadores e catadoras em todo Brasil, objetivando valorizar a catação como uma categoria de trabalho. Seus princípios chave são garantir a independência de classe, a autogestão e o controle da cadeia produtiva de reciclagem.

A Articulação Pacari, que integra a Rede Cerrado, foi apresentada pela agrônoma Jaqueline Evangelista Dias. O destaque fica para a pesquisa popular com o registro de conhecimentos tradicionais sobre o uso de plantas nativas, que deu origem a Farmacopeia Popular do Cerrado. O documento é referência para a discussão sobre a importância do registro deste tipo de conhecimento tradicional também nos demais biomas brasileiros e sobre a necessidade de políticas públicas específicas. 

“Também estamos fazendo o levantamento de informações e uma campanha para o registro dos ofícios de raizeiros e raizeiras do Cerrado, como Bem Cultural de Natureza Imaterial, processo que já está em tramitação junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Natural (IPHAN)”, contou Jaqueline. Ainda, enquanto articulação, a Pacari participa de espaços políticos relacionados ao uso sustentável da biodiversidade, no âmbito da Convenção da Diversidade Biológica da ONU, e de espaços relacionados à saúde e ao meio ambiente, no Comitê da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e na Comissão Nacional para o Desenvolvimento de Povos e Comunidades Tradicionais.

O presidente do Faces do Brasil, Jasseir Alves, esclareceu que a organização é uma plataforma de entidades e atores do movimento do Comércio Justo e Solidário, criada em 2001 por uma articulação de entidades públicas e privadas que perceberam na ideia internacional de Comércio Justo uma possibilidade concreta de ampliar e aprimorar as relações comerciais de base solidária no Brasil.

De acordo com Alves, a entidade vem desenvolvendo uma série de ações para a construção de um conceito brasileiro de comércio justo “para e por” brasileiros. Diversos produtos têm qualidade e sua produção representa uma alternativa de geração de renda e de inclusão social. Porque, então, não torná-los acessíveis aos consumidores brasileiros, através de canais justos e solidários de comercialização?

“Por isso, nossa missão é fomentar a construção do comércio justo e solidário, como instrumento de uma economia inclusiva, solidária e sustentável”, lembrou Alves.

A Rede de Comércio Justo e Solidário foi lançada pela FLD no dia 3 de junho, durante o evento Dia da Igreja do Sínodo Nordeste Gaúcho da IECLB. “O objetivo é aproximar grupos de geração de trabalho e renda a comunidades luteranas”, disse a assessora de projetos da FLD, Marilu Nörnberg Menezes.

Para sua implementação, o projeto Rede de Comércio Justo e Solidário conta com o apoio da Igreja Evangélica Luterana na América (sigla em inglês ELCA) e do Sínodo Nordeste Gaúcho – por meio da destinação de uma oferta sinodal no dia 11 de novembro e da promoção e divulgação da proposta.

Na mesa redonda, além dos representantes das organizações que se apresentaram,  estiveram presentes: da delegação, Johanna Laible, Jürgen Bergmann, Katja Breyer e Gudrun Kordecki, entre outros; da FLD, o presidente da Diretoria, Carlos Hopfer, as assessoras de projetos Marilu Menezes e Juliana Mazurana, o assistente de projetos e Jaime Ruthmann. Do Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor (CAPA), parceiro estratégico da FLD, participaram o coordenador do CAPA de Santa Cruz do Sul (RS), Sighard Hermany, e a assessora do CAPA de Pelotas (RS),  Daniele Peter.

Cadastre-se para receber nossa newsletter

Personel Maaşları