DOAR AGORA

Unidade na diversidade evidencia testemunho cristão

Unidade na diversidade evidencia testemunho cristão
29 de agosto de 2014 zweiarts

Por Jaime C. Patias

www.conic.org.br

Uma celebração ecumênica com destaque para a unidade na diversidade, concluiu, no dia 24, as atividades do Simpósio Ecumenismo e Missão – Testemunho cristão em um mundo plural. Promovido pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), com apoio das Comissões para o Ecumenismo, Laicato e Ação Missionária da CNBB e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), o evento reuniu cerca de 100 representantes de diversas igrejas cristãs, em Vargem Grande Paulista (SP). A FLD participou, através de sua secretária executiva, Cibele Kuss.

Cânticos, orações, reflexões e símbolos reforçaram a necessidade de continuar a caminhada histórica do ecumenismo no Brasil com ações comuns. Ao comentar o mandato de Jesus aos seus discípulos, “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura”, dom Francisco de Assis da Silva, bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil observou que o envio não é apenas ir e anunciar. “Trata-se de um ir ao encontro do mundo de forma desarmada, de braços abertos com o coração cheio de amor que vem de Deus. Significa correr riscos e enfrentar os desafios da pluralidade, do diferente, das cosmovisões, cultura, ciência, entre outros”. Segundo o bispo, é preciso “encarnar-se nessa realidade e anunciar. E anúncio, mais do que discurso, é envolvimento”. Dom Francisco lembrou ainda as palavras de São Francisco de Assis: “primeiro vivo e depois, se necessário, prego”. E finalizou: “Anunciar significa envolver-se, correr o doce risco de encontrar a diferença e a beleza da pluralidade”.

Presente na celebração, o presidente da CNBB, cardeal Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP), sublinhou a unidade em Jesus Cristo como o melhor testemunho. “Somos todos batizados e o batismo nos incorpora em Jesus Cristo. Temos essa missão de testemunhar Jesus no mundo diante de tantos desafios. Não podemos desanimar, pois Cristo caminha conosco e o Espírito Santo nos ilumina e guia. Em nossas diferenças temos essa missão comum”, disse o cardeal. Em sua opinião, a divisão entre os cristãos é um grande obstáculo. “Para que o mundo creia é necessário que nos amemos uns aos outros e testemunhemos a nossa unidade em nossas diferenças. Esse movimento de ecumenismo é irreversível e nós devemos fortalecê-lo cada vez mais”, argumentou. Ele recordou ainda, as várias iniciativas ecumênicas como a Campanha da Fraternidade e a Semana de Oração pela Unidade.

Líderes se revezaram para pedir unidade em torno de questões comuns. “No projeto de Jesus ninguém é excluído. É preciso que nos coloquemos no lugar de cada pessoa oprimida, pois sabemos a gravidade da desigualdade em nossa sociedade, em especial das mulheres violentadas”, reivindicou a reverenda Elineide Ferreira Oliveira, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. “Devemos sair daqui mais sensibilizados com a causa do nosso próximo na pluralidade e na busca de justiça e igualdade”.

Marilza José Lopes Schuina, presidente do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) pediu que os leigos e leigas fossem sujeitos eclesiais atuantes. “Quando Jesus dá ordens, Ele não as dá aos homens ou às mulheres isoladamente, mas a todos”, defendeu. “Neste Simpósio e em outros contextos, ouvimos que as mulheres estão saindo silenciosamente de nossas igrejas. Mas também é verdade que a maioria de nossas comunidades é mantida através do serviço pastoral das mulheres. Elas não estão nos púlpitos, nas sacristias, mas nos serviços para talvez cumprir um preceito daquela que disse: ‘Eis aqui a serva do Senhor’”, comentou Marilza. Segundo ela, “estar a serviço é se ‘empoderar’ para dizer o que somos e o que podemos fazer. Precisamos contribuir para que as mulheres não sejam apenas testemunhas, mas presença efetiva na comunidade e na sociedade. Ainda somos extremamente machistas”, ponderou a presidente.

Estava previsto que as várias reflexões do Simpósio resultassem numa espécie de Documento com orientações sobre o diálogo ecumênico nas diversas igrejas cristãs. Ao perceber que isso já não seria possível, uma comissão de redação reuniu as contribuições vindas dos grupos de trabalho e durante a celebração as entregou à pastora Romi Bencke, secretária executiva do Conic. Após sistematização, o documento será apresentado na próxima assembleia da entidade, em abril de 2015.

“Tanto o papa Francisco quanto o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) têm reforçado a ideia de uma Igreja peregrina. Acho que essa construção coletiva que fizemos ao longo destes dias está nessa lógica. Queríamos formalizar um Documento hoje, mas o Espírito de Deus é livre e sopra onde, como e quando quer. E soprou para que a gente não assinasse nada, mas dessa continuidade ao processo”, explicou a secretária e complementou. “Pedimos que as contribuições sejam colocadas em oração para que, a partir de agora, o processo se fortaleça”.

Na programação do Simpósio, as conferências, debates e partilhas trouxeram reflexões e apontaram alternativas para enfrentar os desafios da missão em um contexto de pluralismo religioso e de multiplicidade de sujeitos.

A motivação para a realização do evento partiu do contexto de comemorações dos 50 anos da Conferência do Nordeste (1962) e do Concílio Vaticano II (1962-1965). Estes dois momentos históricos foram refletidos à luz do documento “Testemunho Cristão em um mundo Plural”, elaborado a partir de um processo de reflexão que envolveu o CMI, o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso e a Aliança Evangélica Mundial.

Cadastre-se para receber nossa newsletter

Personel Maaşları