DOAR AGORA

FLD reitera sua posição contra redução da maioridade penal

FLD reitera sua posição contra redução da maioridade penal
18 de junho de 2015 zweiarts

Frente às intensas discussões sobre o tema da redução da maioridade penal, a Fundação Luterana de Diaconia reitera sua posição contrária à aprovação da redução da maioridade penal, conforme nota divulgada em abril. “Em nossa Constituição Federal, a inimputabilidade de pessoas abaixo dos 18 anos é um direito individual de adolescentes, é cláusula pétrea e não pode ser abolida por emenda constitucional”, diz o documento.

“Várias organizações e pesquisas divulgam reiteradamente que do total de homicídios praticados no Brasil nos últimos 20 anos, apenas 3% foram cometidos por adolescentes, sendo que em 2013, foram 0,5%. Outro fator importante a ser levado em consideração neste debate é a cor da juventude que está sendo assassinada e que ainda vai morrer antes de completar 19 anos. Ela é negra e pobre.

Recrudescer a vida de adolescentes e jovens com base no endurecimento do direito penal é negar a elas e a eles seus direitos garantidos no Estatuto da Criança e do Adolescente e o Estatuto da Juventude, violando, desta forma, seus direitos à saúde, segurança, família, trabalho, lazer, cultura, religião. Não podemos aceitar e nos calar frente à PEC 171/93, que tramitou orientada pela lógica punitiva com violência e castigo, sem diálogos com a sociedade civil e suas organizações e com ausência total de reconhecimento da violência letal que ameaça jovens no Brasil”.

Abaixo, o texto na íntegra. O documento também está disponível para download.

 

Nota da FLD CONTRA a Redução da Maioridade Penal

No fatídico dia 31 de março, a Comissão de Constituição de Justiça da Câmara votou favoravelmente, por 42 votos a favor e 17 contra, à admissibilidade da PEC 171/93 que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Em nossa Constituição Federal, a inimputabilidade de pessoas abaixo dos 18 anos é um direito individual de adolescentes, é cláusula pétrea e não pode ser abolida por emenda constitucional. O endurecimento do direito penal significa o aprofundamento das violações de direitos humanos existentes em todas as unidades responsáveis pelas medidas socioeducativas de internação e o atual sistema penitenciário, comprovadamente falido e palco de tortura, homicídios, esquecimento e reincidência em delitos, sem resultados em reabilitação.

Em janeiro deste ano, foi divulgado a 5ª edição do Índice de Homicídios na Adolescência – IHA, uma pesquisa realizada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, o Observatório de Favelas e o Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, cujo objetivo é um monitoramento sistêmico da incidência de homicídios entre a população jovem, com o intuito de planejar e avaliar as políticas de prevenção à violência. Uma informação estarrecedora é de que “se estima que mais de 42 mil adolescentes, de 12 a 18 anos, poderão ser vítimas de homicídios nos municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, entre os anos de 2013 e 2019. Isso quer dizer que, para cada grupo de mil pessoas com 12 anos completos em 2012, 3,32 correm o risco de serem assassinadas antes de atingirem 19 anos de idade”.

Várias organizações e pesquisas divulgam reiteradamente que do total de homicídios praticados no Brasil nos últimos 20 anos, apenas 3% foram cometidos por adolescentes, sendo que em 2013, foram 0,5%. Outro fator importante a ser levado em consideração neste debate é a cor da juventude que está sendo assassinada e que ainda vai morrer antes de completar 19 anos. Ela é negra e pobre.

Recrudescer a vida de adolescentes e jovens com base no endurecimento do direito penal é negar a elas e a eles seus direitos garantidos no Estatuto da Criança e do Adolescente e o Estatuto da Juventude, violando, desta forma, seus direitos à saúde, segurança, família, trabalho, lazer, cultura, religião. Não podemos aceitar e nos calar frente à PEC 171/93, que tramitou orientada pela lógica punitiva com violência e castigo, sem diálogos com a sociedade civil e suas organizações e com ausência total de reconhecimento da violência letal que ameaça jovens no Brasil.

A Fundação Luterana de Diaconia, que há mais de 10 anos apoia e colabora diretamente com organizações defensoras dos direitos das crianças e adolescentes, manifesta sua posição contrária à aprovação da redução da maioridade penal, em primeira instância e em tramitação no Congresso Nacional. Defendemos o fortalecimento do ECA e da ampla garantia de direitos.

Cadastre-se para receber nossa newsletter

Personel Maaşları